Pneumologia

Jornal Médico

PesquisarSubscrever NewsletterFacebookTwitter

Agenda de Eventos

sexta, 30 junho 2017 11:27

Zero: há um elevado número de poluentes do ar em Lisboa

Os valores de poluentes prejudiciais para a saúde são elevados na avenida da Liberdade, em Lisboa, apesar das Zonas de Emissão Reduzida em vigor desde 2015, segundo a Zero, que pede mais fiscalização à circulação dos automóveis antigos.

Poucos dias antes da proibição da entrada de táxis com mais de 17 anos que não respeitem as normas sobre emissões, na Baixa lisboeta, fixada para segunda-feira, a Associação Sistema Terrestre Sustentável, Zero, vem alertar que, “na avenida da Liberdade, em Lisboa, já há valores bastante elevados de ultrapassagem de dióxido de azoto e em relação às partículas inaláveis, as PM10, [está] sensivelmente a metade”.

É possível ter até 35 dias por ano o valor limite de PM10, e, segundo as contas dos ambientalistas, já foi atingida metade do número de dias.

Mas, alertou Carla Graça, nos próximos meses haverá menos vento e menor dispersão de poluentes, sendo “provável que nos próximos tempos também se verifique maior nível de partículas, mesmo com redução do tráfego devido às férias”.

Apesar das limitações já em vigor para a circulação automóvel, a associação ambientalista afirmou em entrevista à Agência Lusa que “há, de facto, tendência para que estes valores continuem a ser ultrapassados”.

Para a Zero, esta “é uma questão não só de cumprimento da legislação, mas até de salvaguarda das pessoas que vivem e trabalham” na zona da Baixa lisboeta.

Em 2015, acrescenta, a estação de monitorização da qualidade do ar da avenida da Liberdade voltou a apresentar resultados para as PM10 e o dióxido de azoto acima do limite previsto na legislação nacional e europeia, e no ano seguinte, com condições meteorológicas mais favoráveis, só o limite anual de dióxido de azoto não foi cumprido.

“Não há suficiente fiscalização e continuamos a ver automóveis antigos a frequentar a zona da Baixa”, mesmo tendo em conta a exceção para moradores, acrescentou.

Esta situação não tem a ver com os automóveis de alta cilindrada, que emitem mais dióxido de carbono, um gás com efeito de estufa diferente dos poluentes que têm impacto direto na saúde humana, nomeadamente nas vias respiratórias.

Recorde.se m janeiro de 2015, a terceira fase das Zonas de Emissão Reduzida (ZER) entrou em vigor trazendo maiores restrições para os veículos ligeiros na zona da Baixa de Lisboa (rua Alexandre Herculano, praça do Comércio, Cais do Sodré e Campo das Cebola) e depois até Entrecampos.

As novas regras contemplaram “um período de exceção para os taxistas de modo a que se pudessem adaptar”, para renovarem a frota e aplicarem filtros nos automóveis, lembrou Carla Graça.

Agora as limitações passam a abranger também os táxis fabricados antes de 1 de janeiro de 2000, a partir de segunda-feira, já que 01 de julho é sábado e a norma é válida para dias úteis das 7:00 às 21:00.

Além do aumento da fiscalização pela PSP e pela Polícia Municipal, os ambientalistas esperam incentivos à utilização de transportes públicos e facilidade de andar a pé ou de bicicleta.

Carla Graça disse ainda que os corredores para bicicleta não existem ou não são os mais indicados, “a convivência entre o ciclista e o automobilista não é fácil, muitas vezes com risco” para o primeiro e ser peão em Lisboa “continua a não ser fácil” porque há muitas barreiras.

Subscrição da newsletter do Jornal Médico